Archives For Dubai

Recebo vários e-mails, ou vejo que pessoas chegam até o blog buscando por festas e boates em Dubai. Eu costumo dizer que em Dubai você encontra de tudo um pouco e, já que as festas acabam cedo, tem festa quase todos os dias,

Há algumas semanas, um amigo que organiza uma festa brasileira aqui, a Brazilian Spirit, me chamou para eu documentar a festa naquela noite que seria feita na Nasimi Beach, que fica na The Palm, a ilha artificial em formato de palmeira.

Eu topei e aqui está o resultado!

Esta semana fiz uma compra que lembrou o meu primeiro dia em Dubai. Sabe aquelas dicas de viagem furadas que a gente pega com amigos? Eu peguei uma dessas quando eu estava arrumando a minha mala para migrar para Dubai. Perguntei a uma das minhas amigas que já estava morando aqui se tinha algo que eu deveria levar do Brasil, algo que fosse caro. Não me pergunte como, mas a conversa acabou em “cabides”. Ela falou que em Dubai cabides era muito caros e me aconselhou a trazer os que eu tinha do Brasil. Eu, sem ter muita experiência, segui o conselho.

Em uma mala média, que eu trouxe “toda a minha vida” (como as pessoas dizem quando se mudam para uma nova cidade), basicamente eu trouxe minhas caixas de som, algumas roupas e entupi a mala de cabides. Roupas mesmo, eu quase não trouxe, pois queria renovar o guarda-roupa na fase nova, as caixas de som, eu liguei numa tomada 220v e queimou (amadorismo) e os cabides… as os malditos cabides que ocuparam metade da mala!

Essa semana fui comprar minha terceira leva de cabides novos, custando em torno de R$ 0,65 centavos cada, comprei 40. Esses dias meu roupeiro até quebrou de tanto cabide. Até hoje eu não acredito que fui tão inocente em acreditar que cabides fossem itens caros nos Emirados Árabes.

cabides

Em suma, eu poderia trazer minha mochila com o meu computador e umas cuecas. Ah, lembrei! O computador também queimou logo em seguida que cheguei aqui.

Conselho para quem vai viajar ou migrar… não aceite todos os conselhos!

Cheguei em casa e o ar condicionado estava desligado. Estranhei, pois nós nunca o desligamos em Dubai. Surpresa! Ele estava estragado.

Este vapor no espelho é no banheiro do meu quarto sem ar condicionado.

espelho dubai

Por sorte o ar da sala não quebrou e ele chegava até o quarto. 3 dias se passaram e a manutenção do prédio arrumou.

Graças a Allah.

Amanhã começa novamente o ramadan em Dubai. Aquele mês sagrado para os mulçumanos que eles jejuam o dia inteiro e rezam várias vezes ao dia. Para nós, estrageiros ou turistas, muitas regras mudam, como eu disse no post do ano passado. E todo ano a gente acaba se surpreendendo com uma coisa nova. Este ano, o mês sagrado nem começou e minha amiga estava no shopping com uma roupa super normal e recebeu o bilhete abaixo enquanto, inocentemente, comprava um sorvete.

carta ramadam

“Aqui vai um dica, de acordo com as leis dos Emirados Arabes Unidos você deveria estar usando roupas mais respeitosas. Sua camisa está longe disso! Obrigado.”. De acordo com a minha amiga, o bilhete foi enviado por uma senhora com uma cara muito brava.

É a antropológica experiência de morar em Dubai! Que todos sobrevivamos à este mês!

Aqui em Dubai, a gente sempre brinca que o supermercado parece locadora de filme com aquela parte proibida para filmes pornos.
Esta seção no supermercado é a parte onde vendem produtos suínos, proibidos para mulçumanos. Para quem não sabe, eles não podem comer qualquer produto derivado do porco, como um simples presuntinho.

Eis que andando no supermercado hoje, me deparo com essa cena.

dubai pork shop

Uma pecadora entre nós!

conciencia-homer

Muito se fala no Brasil sobre o estado laico, naquele maravilhoso mundo onde as igrejas, ou as religiões, não se envolvem na política. Sabemos que no Brasil a coisa não funciona assim, mas deveria funcionar. Morar em Dubai é uma experiência fantástica em vários quesitos, uma dela é saber como é viver num país que a religião dita as leis.

Estou há 2 anos e meio aqui e posso dizer que estou super adaptado. Já passei por situações que me deixavam irritado. As vezes tive que não só respeitar, mas ser obrigado a participar dessas, que eu chamaria, “situações religiosas”. Esta semana, porém, pela primeira vez, tirei proveito de viver em um país onde as leis de um deus é mais importante que as leis dos homens. Deixe-me explicar:

Em dezembro fui à uma ótica aqui em Dubai reavaliar o grau dos meus óculos. Embora desconfiado, fiz um exame com um oftalmologista da propria loja. O resultado dizia que eu tinha 0,5 de miopia e com o astigmatismo do mesmo jeito. Nunca tive miopia, mas como achava que os óculos estavam meio passados, caí na ladainha e mandei fazer lentes novas. Quando fui buscar meus óculos novos, surpresa, eles pareciam estar mais forte do que eu precisava. Entretanto, segui o conselho do atendente, e de muitos amigos, trouxe-o para casa, pois eu iria “me acostumar”.

Passou-se 3 meses, depois de muitas dores de cabeça e de um forte estranhamento nos olhos, como estava no Brasil, resolvi ir a um verdadeiro oftalmologista. Surpresa (ou não)! Eu não tenho, e nunca tive, miopia.

Voltei à loja em Dubai, pedi para que trocassem as lentes, dei a prescrição do meu médico e pedi que trocassem de graça, já que estava na garantia e o erro foi deles. Eles, obviamente, me trataram mal e disseram que não poderiam fazer nada. Vim para casa com o e-mail do gerente árabe da loja. Enviei um e-mail explicando a situação, dizendo que segundo as leis do consumidor eu poderia entrar com um processo contra eles, mas esperava que isso não fosse preciso, ele respondeu o e-mail num tom agressivo como se eu tivesse tentando tomar vantagem da situação, eles alegaram até que no momento da consulta eu tinha miopia e com os óculos feito por eles, a miopia havia sumido. Óculos mágicos! Veja só!

Ao ver que, falando das leis do consumidor, eu nao iria ter as minhas lentes corrigidas, fui obrigado a mudar minha linguagem, e pedir ajuda divina. Respondi o e-mail dizendo que não iria fazer nada, que não iria processá-lo, porém esperava que ele estivesse com o “coração tranqüilo, com a paz de deus, e que estivesse com a consciência limpa de que ele estava fazendo a coisa certa. E que Inshallah (Deus queira em árabe) eu iria comprar novas lentes ainda esta semana”.

Foi apenas um teste, queria saber o quanto as leis divinas sao mais importantes que as leis do consumidor num país muçulmano e no qual as leis são baseadas emcima do livro sagrado.

No outro dia recebo uma ligação, uma voz muito suave e educada pedia que eu comparecesse a ótica para trocar minhas lentes sem nenhum custo adicional, e o melhor de tudo, não precisei nem levar o cupom fiscal.

Quando desliguei o telefone, por um segundo, eu me julguei, pensei que estava sendo baixo usando o nome de um deus que não acreditava para conseguir algo fosse me beneficiar financeiramente, mesmo que estivesse certo, eu me julguei. Porém, lembrei de todas vezes que acordo as 5 da manhã com a mesquita gritando na minha janela, ou das vezes que não pude tomar água ou comer em dias de 55 graus durante o ramadan, ou nas minhas tardes de praia sem aquela caipirinha gostosa. Pensei então que eu não estava errado, se o estado não é laico, era preciso recorrer a ordem divina para conseguir com que meus direitos de consumidor fossem respeitados.

É como dizem, está no inferno, abraça o capeta.

Ps: para quem não entende ironia, o título do texto é uma ironia, eu não acredito que haja algo bom em viver em um estado regido por religião, pois ninguém é obrigado a compartilhar na mesma religião, e as pessoas deveriam respeitar as leis e ao próximo gratuitamente, e não pelo medo de ir para o inferno.

Passeio de balão em Dubai.

Meu amigo Nilton veio me visitar em abril e fez um passeio de balão pelo deserto de Dubai. Como ele levou minha camera para registrar o momento, tomei liberdade de editar o vídeo e usa-lo aqui no blog.

Abaixo o Nilton fala sobre o passeio e se vale a pena andar de balão em Dubai:

Certamente a melhor forma para compreender a grandeza do deserto de Dubai é voando de balão. O passeio dura em média uma hora, mas como manda a arte do balonismo, segue-se ao sabor do vento, o que fez com que meu voo durasse uma hora e meia. O horário e o local de partida dependem da hora que nasce sol. Você compra o pacote e recebe uma ligação um dia antes dizendo que horas e onde deve encontrar o grupo com que fará o voo.

O silêncio que faz lá em cima é cortado apenas pelo som do fogo que alimenta o balão. No deserto o Sol parece diferente. Se no Brasil mal se consegue olhar para o céu durante o dia, em Dubai ele parece uma Lua extremamente brilhante e iluminada, que se pode olhar tranquilamente. Majestoso, nasce muito rápido. Quando você se dá conta, lá está ele no meio do céu e já está chegando a hora de pousar.

Pouso, aliás, é a pior parte. Diferente de um avião, balões não tem trem de pouso, portanto, se prepare para o impacto quando chegar ao chão. O passeio acontece lentamente e é ótimo para registrar excelentes imagens.

A experiência é incrível, difícil de explicar. Se um dia tiver oportunidade não deixe de aproveitar.

A empresa que faz passeios de balão em Dubai é a Balloon Adventures, e o passeio sai em torno de R$ 450,00 reais.